30 de out de 2010

COMO !? SÓ TENHO QUATRO MESES DE VIDA !!??


Uma senhora foi à uma consulta médica de rotina e descobriu que estava com uma doença terminal e que teria poucos dias de vida. O médico lhe informou:

- D. Suzana, seu caso é raro e grave. Você só tem 04 meses de vida.

O marido, filhos e netos ao tomarem conhecimento do fato, choraram amargamente a falta antecipada daquela pessoa tão querida. Mas consolando a todos que estavam presentes, como um belo sorriso, D. Suzana disse:

- Não se preocupem. Ainda tenho 04 meses para ser feliz. Vou viver intensamente e dar valor a cada segundo que me resta. Vou fazer de cada momento uma oportunidade de ser e fazer feliz a quem me cerca.

Todos ficaram pasmos com tal declaração. E para testificar as palavras de D. Suzana, todos ficaram na espreita para verem sua atitude. E todos ficaram surpresos, pois ela parecia mais feliz do que antes. Curtia cada momento, cada detalhe. Ninguém podia ver uma lágrima em seus olhos a não ser sorriso e brilho no olhar.

E assim foi feito em todos aqueles 04 meses e todos os anos há mais que lhe foram acrescentados. Porque D. Suzana viveu muitos outros anos. Superou a doença e encarou o problema fazendo dele uma solução para rever suas questões e ser feliz. Aliás muito feliz.

Reflita sobre esta história e faça o mesmo. Talvez por muito menos você tem se fechado e murmurado, ao invés de glorificar a Deus por tudo na sua vida.


Fonte: melodia.com.br

28 de out de 2010

MITOS SOBRE O CA DE MAMA



Mito significa uma coisa ou que não existe, mas que se supõe real. E a respeito de Ca de mama, muitas coisas são faladas, principalmente por quem não tem conhecimento de causa, e com isso muitas pessoas ficam assustadas ou em duvidas. O texto abaixo faz parte de um blog em que andei pesquisando sobre Ca de mama e achei que seria muito interessante postá – lo aqui... Creio que vai ajudar muito, se alguém tiver alguma duvida sobre o que é mito ou verdade sobre Ca de mama...Vamos lá:

A mamografia impede a doença ?
MENTIRA : O fato de a mulher se submeter à mamografia não impede o surgimento do câncer. Porém, quem faz o exame periodicamente tem mais chances de descobrir sinais da doença bem no início, o que é altamente recomendável e traz mais chances de cura.

Como tenho Câncer serei mutilada ?
MENTIRA: Isso acontecia no passado. Hoje, com os novos procedimentos cirúrgicos que preservam a mama já não ocorre mais. Essa possibilidade, porém, depende de muitos fatores, tais como a relação entre o tamanho da mama e o do tumor, o estágio da doença etc.

Só as mulheres com histórico familiar fazem parte do grupo de risco ?
MENTIRA: O câncer não distingue a quem atinge. Ser filha ou irmã de mulheres que tiveram a doença é um fator de risco importante, mais ainda nos casos em que o problema começou antes da menopausa. Mas vir a desenvolver ou não um câncer de mama não depende da hereditariedade: apenas 8% das pacientes têm, de fato, outros casos na família.

Se eu tenho Nódulos nos seios eles predispõem ao câncer?
MENTIRA: Ter nódulos durante um período ou mesmo por muito tempo não significa que a mulher tenha mais ou menos propensão a desenvolver esse tipo de câncer. E vale lembrar: um nódulo benigno sempre será benigno.

Se tiver sorte farei uma quimioterapia que não faz perder cabelos?
MENTIRA: É uma possibilidade muito remota, porque as drogas da quimioterapia atacam células que se reproduzem com mais rapidez, como as do bulbo capilar. Porém ao final do tratamento normalmente os fios voltam.

O estresse causa câncer de mama?
MENTIRA: Apesar do estresse estar associado a diversas doenças e patologias não existem estudos que comprovem  a associação ao câncer de mama, até porque, esse tipo de câncer não está associado a uma causa única pois sempre existem inúmeras razões possíveis e que podem ser combinadas das mais diferentes formas.

Posso decidir retirar as duas mamas como prevenção para o surgimento de tumores?
MENTIRA: Além de ser uma postura altamente radical, mesmo com fatores genéticos pesando para esta decisão, como não se é possível retirar 100% das mamas, o procedimento não elimina 100% dos riscos existindo sempre um risco por menor que seja.

Espero que esse texto tenha sido esclarecedor, como foi para mim...
(Fonte: fundacaolacorosa.com)

Forte abraço...
Fátima Pieruccini

27 de out de 2010

CONHECENDO A MAMA


Mamas
Sua anatomia: são glândulas com a função principal de produção de leite materno para o recém nascido. São formadas por:

ACINO - que é a menor parte desta glândula e responsável pela produção de leite no período de lactação;

LÓBULO MAMÁRIO – é constituído pelo conjunto de acinos;

LOBO MAMÁRIO – conjunto de lóbulos mamário que se liga a papila por um ducto;

DUCTOS MAMÁRIOS – são 15 a 20 canais que conduzem o leite até a papila;

TECIDO GLANDULAR – conjunto de lobos e ductos;

PAPILA - protuberância elástica onde desembocam os ductos mamários;

ARÉOLA – estrutura central da mama onde se projeta a papila;

TECIDO ADIPOSO – tecido gorduroso revestidor da mama, cuja característica advém do tipo físico, alimentação e idade da mulher. Esta glândula, em numero par, está presente na parte frontal superior do tórax e anatomicamente está apoiada no músculo peitoral, estendendo-se da segunda até a sexta costela.

Mamilo e auréola

Visualizada externamente, cada mama na sua região central tem uma aréola e um mamilo (papila mamária) que salienta-se como um pequeno corpo cilíndrico ou cônico, de onde saem os 15 a 20 orifícios ductais.  A pele característica do mamilo é pigmentada, enrugada e áspera, estendendo-se por 1 ou 2 cm pela superfície da mama para formar a aréola. Esta é áspera devido a presença de inúmeras glândulas sebáceas produzindo pequenas elevações nessa superfície.

Tamanho, formato e densidade

Tamanho, formato, bicos e aréola, diferem individualmente de uma mulher para outra. Nas mamas geralmente existem diferenças sim de simetria, tamanho, peso de cada mama, mas estas são mínimas e sem importância. Quando pequenas as mamas tem pouco peso e tendem e ser altas e empinadas ficando longe da parede do tórax, se grandes são pesadas e tendem a encostar-se à parede do toráxica. Quando mais jovens as mulheres apresentam mamas com maior volume de tecido glandular tornando-as mais firmes e densas. Ao se aproximar do período da menopausa, esse tecido vai atrofiando e sendo substituído progressivamente por tecido adiposo, para finalmente se constituir quase unicamente de gordura e resquícios de tecido glandular, já no período pós-menopausa.

Ciclo de desenvolvimento

A partir da infância as meninas apresentam pequena elevação na região mamária pela presença de tecido mamário rudimentar. Já na puberdade, os hormônios começam a atuar mais, isto é, a glândula hipófise trabalha para estimular e controlar a produção do estrogênio produzido nos ovários (ciclos hormonais). Assim sendo, as mamas iniciam o desenvolvimento multiplicando os acinos e lóbulos.  Na fase adulta, estimulada pelos ciclos de progesterona e estrogênio, esses fazem com que as mamas fiquem mais inchadas durante o período menstrual devido a retenção de líquido. A ação da progesterona na segunda fase do ciclo menstrual, gera a retenção de líquido no organismo, nas mamas visivelmente, causando nelas inchaço, endurecimento e dor.  Já na menopausa quando ocorre carência hormonal, muitas vezes há atrofia glandular e a substituição do tecido parenquimatoso por gordura na mama.

Em virtude dos diferentes níveis hormonais as mamas reagem aos ciclos mês-a-mês, sofrendo modificações. O estrogênio vem a fortalecer a mama gerando uma concentração maior de líquido e vascularização, inchando-as e proporcionando a multiplicação das suas células.  Isso tudo é um preparo para gravidez, isto é, para a possibilidade de gerar o leite materno no caso da fecundação e que se caso não ocorrer, regredirá o inchaço e as outras modificações hormonais, com o início da menstruação.

Vascularização

A mama é irrigada pela artéria mamária e ramos da artéria axilar.  Desta artéria mamária partem os ramos que perfuram e atravessam os quatro espaços intercostais geralmente dois vasos por espaço que transpassam o músculo peitoral chegando à mama por trás.  Os ramos axilares da vascularização mamária são a artéria subescapular, a artéria toráxica externa e a artéria acromiotoráxica.

Texto informativo (Fonte: http://www.fundacaolacorosa.com/)

22 de out de 2010

CAMPANHA CONTRA O CÂNCER DE MAMA



É incrível que mesmo com tantas campanhas, iniciativas, corridas, etc, o câncer de mama ainda mate tantas mulheres no Brasil. Depende de você, mulher, correr atrás da sua saúde.

Agora em outubro, mais uma iniciativa para que você não esqueça e nem diga que não tem onde fazer. O Outubro Rosa está em todo lugar! O Outubro Rosa é uma campanha que começou em 1997 nos EUA, para alertar as mulheres da necessidade do diagnóstico precoce do câncer de mama. Como já era esperado, vários monumentos de várias cidades foram “pintados” de rosa, para alertar da necessidade de muitos investimentos na saúde da mulher neste segmento. A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) diz que na rede pública, ainda existe uma demora de mais de 6 meses, entre a descoberta e o início de tratamento, o que é um absurdo!

É um câncer que quanto mais cedo o tratamento, maiores os índices de cura completa. A cada milímetro que cresce, diminuem em 1% as chances de cura. Por isso, todos os anos, você vê tanto empenho, principalmente de entidades privadas, pra tentar diminuir esse sofrimento que pode sim, ser evitado.

Agora, também depende de cada mulher ir atrás. A mamografia é um direito de qualquer brasileira pelo SUS. Se você se planejar todo ano, não tem desculpa. Laboratórios de análises e imagens também criaram campanhas populares e dá pra você fazer por um preço mais barato do que era há alguns anos atrás. E sempre fazer o auto-exame das mamas! É tão simples e pode evitar o choque de descobrir um nódulo quando só o médico examina. Mas lembre-se O AUTO-EXAME NÃO SUBSTITUI A IDA AO GINECOLOGISTA! É apenas para você se monitorar e perceber se houve alguma alteração e tomar logo uma providência.
A mulher deve fazer mamografia a partir do s 40 anos, ou aos 30, se houverem casos na família de câncer de mama. Em alguns casos, muitas começam os exames aos 20 e poucos, mas são casos mais raros. Existem vários tipos de câncer de mama e o quanto antes você se prevenir, melhores as chances de cura. Mas é importante salientar que apenas 10% dos caos são genéticos ou hereditários, 90% É ADQUIRIDO PELO TIPO DE VIDA QUE VOCÊ LEVA e FATORES EXTERNOS (má alimentação, fumo, obesidade, traumas nas mamas, pancadas, estresse, etc). E são cerca de 134 novos caos por dia, 49 mil caos por ano, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCa).

Então, cabe a você se cuidar e não esperar que outros o façam. O corpo é seu, a vida é sua. Se cuide e viva melhor.
Várias blogueiras estão contribuindo para chamar a sua atenção ao câncer de mama. E o Dicas de Mulher Virtuosa não poderia ficar de fora!


Maiores informações no : http://www.mulherconsciente.com.br/

Fonte: http://dicasdemulhervirtuosa.blogspot.com

AUTO VIGILÂNCIA


 É muito importante saber que o auto - exame mensal dos seios é menos eficaz que a mamografia (o que já se sabia na prática) e pode ser substituído, sem prejuízo, por uma auto-vigilância dos seios, sem o rigor e o passo-a-passo do auto-exame tradicional. Portanto, menos estresse, mas sem que isso nos dispense da informação nem da responsabilidade que devemos ter para com a saúde dos nossos seios.

A pergunta é: como exercer essa auto-vigilância? A Sociedade Americana de Câncer recomenda aproveitar as oportunidades que se tem de observá-los, tocá-los e examiná-los. Por exemplo: quando estamos trocando de roupa diante do espelho, quando estamos tomando banho (a pele ensaboada facilita a inspeção dos seios e das axilas) ou quando estamos deitadas.

Se notarmos a presença de qualquer anormalidade neles, devemos consultar um mastologista ou ginecologista sem demora. Depois de nos examinar clinicamente, ele nos prescreverá uma mamografia e/ou ultra-sonografia, dependendo da nossa idade, do nosso caso e do nosso histórico clínico, pessoal e familiar. Se necessário, prosseguirá com as investigações até poder nos dar um diagnóstico seguro. Pelo menos é o que se espera de um médico competente e responsável.

Lembre-se: é de suma importância conhecermos, tocarmos e vigiarmos os nossos seios. O prof. Umberto Veronesi, considerado um dos maiores especialistas em mama do mundo, afirmou em entrevista à Folha de São Paulo de 5/08/2006:

“É muito importante que a mulher supere o pavor de apalpar a mama. Na Europa, de 50% a 60% dos tumores são descobertos pelas mulheres. É claro que, para tumores muito pequenos, a detecção só será possível com o uso da mamografia.”

Veja a seguir quais são os verdadeiros sinais de câncer que nós mesmas podemos perceber nos seios, embora, no mais das vezes, a maioria deles nos leve à descoberta não de um câncer mas tão somente de um problema benigno.

1. Você tem dor nos seios?

Em geral o câncer de mama não dói. Ele só provoca dor quando o tumor é volumoso ou quando se apresenta sob a forma inflamatória, o que é raro. Abro parênteses para esclarecer que há tumores benignos que também não doem, da mesma forma que há inflamações no seio que nada têm a ver com câncer.

Dor no seio (ou dor mamária, mastalgia, mastodínia) é coisa bastante comum na vida de qualquer mulher. Decorre quase sempre de uma tensão nos tecidos mamários, provocada por mudanças hormonais e cistos (bolsas d’água ou de leite). Essa tensão costuma se manifestar com mais freqüência na fase pré-menstrual, durante a gravidez ou quando os seios estão ingurgitados de leite na fase da lactação.

Quando, porém, a dor é acompanhada de vermelhidão ou outro sinal inflamatório no seio, exige de nós e de nossos médicos atenção redobrada. Seja para evitar que a inflamação atraia infecção, seja, principalmente, para termos certeza de que não estamos diante de um câncer.

Cistos, em si mesmos, são eventos benignos bastante freqüentes. Doem quando são muitos ou quando aumentam de volume, mas podem igualmente ser reabsorvidos pelo tecido mamário. Só exigem biópsia quando apresentam certas características, como células, massa ou sangue no seu interior.

Os especialistas acreditam que o estresse, a ansiedade e a depressão podem promover a liberação de substâncias no cérebro que reduzem ou aumentam a liberação de determinados hormônios femininos, levando os tecidos de certos seios mais sensíveis a apresentar reações que produzem dor.

Às vezes, a dor no seio não tem origem no seio. Vem de fora. Nesse caso, ela é apenas o reflexo de um problema noutro lugar, como, por exemplo, compressão de nervos no pescoço, nas costas ou na coluna vertebral, entre outros.

Embora sabendo que as dores no seio são quase sempre de origem benigna, não devemos negligenciá-las nunca, pois as exceções existem e é melhor não dar chance a elas. Toda dor no seio deve o quanto antes ser comunicada ao médico com vistas a investigar suas possíveis causas antes de encará-la como o resultado apenas de simples alterações funcionais benignas da mama (AFBM), antigamente conhecidas por displasia.

2. Você tem nódulo no seio? Tem uma área no seio mais espessa que as outras ou claramente endurecida (como pedra)? Observe também se ao tocar com os dedos na região embaixo do mamilo você tem a sensação de tocar numa placa dura.

Uma área mais espessa na mama pode indicar a presença de cistos ou de massa benigna, mas pode também estar relacionada com a presença de um tumor maligno. As massas e nódulos cancerosos via de regra são espessos, compactos, na maioria duros como pedra, e mal contornados. Entretanto, a Sociedade Americana de Câncer adverte que há cânceres de mama que podem ser macios, moles, ou bem contornados (“tender, soft, or rounded”). Daí a importância de consultar o médico com vistas a investigar logo, com exames apropriados, todo e qualquer nódulo ou massa que se perceba no seio.

Um conselho do prof. Roger Poisson (mastologista canadense): se você tem mais de 30 anos e tem uma massa ou nódulo duro, indolor e solitário num só dos seios, mesmo que a biópsia mostre que se trata de um tumor benigno, é melhor retirá-lo, pois outro pode surgir e se juntar a ele, dessa vez ser canceroso e confundir o observador. Lembre-se: o avanço da idade é fator de risco de câncer de mama.

3. Um de seus seios está aumentando de volume?

O aumento do volume mamário pode ser apenas o resultado de uma alteração funcional benigna da mama (AFBM). Mas pode ser também que seja causado pela presença de um tumor maligno. Nesse caso, ou o nódulo canceroso se desenvolve ao ponto de aumentar o tamanho do seio, ou provoca uma reação inflamatória como conseqüência da difusão das células cancerosas.

Quando a mulher adulta percebe um aumento de volume mamário sem relação com o ciclo menstrual nem com a gravidez ou a lactação, deve, de imediato, comunicar esse fato ao médico. O mais preocupante é quando isso ocorre de forma unilateral, isto é, somente num dos seios, e este apresenta dor, vermelhidão e/ou exsudação (saída de líquidos) em toda a sua superfície ou parte dela.

4. A pele de seu seio apresenta mudança? Vermelhidão?

Uma mudança no aspecto da pele pode estar ligada a uma alteração benigna da mama. Mas também pode ser causada pela presença de um câncer. Os sinais cutâneos que mais devem alertar são: retração da pele, alterando a textura e a forma do seio, e pele de aspecto rugoso ou granuloso, lembrando uma casca de laranja.

Vermelhidão na pele da mama ou em parte dela também é sinal que exige atenção. A coloração vermelha do seio pode ser sintoma de um câncer raro a que já me referi acima, o carcinoma mamário inflamatório, e mais raramente ainda, de um linfoma mamário com comprometimento dos linfáticos da pele. A pele reage à agressão difusa do câncer ficando vermelha. Uma vermelhidão particularmente suspeita é aquela na qual a inflamação acarreta uma sensação de calor e dor.

Quando a mulher está amamentando, um câncer inflamatório pode ser confundido com outras condições, como, por ex., com inflamação e simples infecção decorrentes de eventos benignos (“leite pedrado”, por ex.), adverte o Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos. Foi o que aconteceu com uma mulher que conheci há pouco, ainda jovem, mas com forte histórico familiar de câncer de mama.

5. Um de seus mamilos está se retraindo ou engrossando?

Uma retração ou engrossamento do mamilo pode ser sintoma de um tumor canceroso situado logo embaixo dele. As células de um tumor canceroso atraem os tecidos próximos, puxando o mamilo para dentro da mama. Portanto, se seu mamilo não tem um defeito congênito conhecido como “invaginação” e está se retraindo, e/ou engrossando, com ou sem dor, e sendo puxado para dentro da mama, procure consultar um médico o quanto antes.

6. Você tem eczema (com ou sem exsudação)?

É claro que um simples eczema, reação alérgica ou irritação na pele da mama não são sinônimos de câncer. Entretanto, há um risco de que isso também seja um sinal de câncer embaixo do mamilo (ver item anterior), sobretudo quando surge em apenas um dos seios e na região do mamilo e aréola.

A doença que leva à corrosão e destruição do mamilo e que está relacionada com um tumor canceroso situado embaixo dele é conhecida como doença de Paget.
É possível que alguns dos sinais aqui descritos sejam produzidos por um câncer que se inicia na pele da mama e se propaga para dentro do órgão; mas o mais comum é que se refiram à doença de Paget, cuja origem, repito, é um câncer de mama situado embaixo do mamilo.

7. Você tem secreções pelo mamilo?

Secreções, derrames ou corrimentos pelo mamilo (que também é chamado de papila) podem ocorrer fora da fase da lactação. De forma espontânea ou somente quando se aperta a mama ou o mamilo. Quando a secreção fora da fase da lactação é leite, chama-se galactorréia e não constitui um problema de saúde.

As demais secreções se acham relacionadas em sua maioria a quadros de alterações funcionais benignas da mama (AFBM) ou a desordens benignas de várias origens. Quando ocorrem num só dos seios, despertam uma suspeita maior de que sejam de origem patológica – benigna ou maligna.

Infecções subareolares, problemas na tireóide ou na hipófise, síndrome anovulatória e estimulação da glândula mamária por algum tipo de droga ou hormônio podem provocar secreções pelo mamilo.

Se não houver história de uso de determinadas drogas ou hormônios para explicar a secreção, os médicos podem pedir, entre outros, um exame de dosagem de prolactina, pois seu resultado pode fornecer indício da existência de tumor na hipófise. Nesse caso, eles solicitam exames por imagem (tomografia).

Além das secreções benignas a que já me referi, há aquelas produzidas por lesões eczematóides, erosões traumáticas, infecção das glândulas de Montgomery e por problemas decorrentes da invaginação (inversão) congênita dos mamilos.

As secreções pelo mamilo têm aspecto que varia entre leitoso, amarelado, claro, negro, verde-escuro ou sangüinolento. Quando não são patológicas, costumam ser bilaterais, multíporas (escoam pelos vários poros do mamilo) e ocorrem geralmente quando se manipula ou pressiona a mama ou especificamente o mamilo. Quando patológicas, tendem a ser espontâneas, unilaterais, uníporas (escoam por um só poro do mamilo). Mas, mesmo quando são patológicas, só em alguns casos constituem sinal de câncer.

Toda e qualquer secreção pelo mamilo deve ser cuidadosamente investigada com exames adequados a fim de se descartar ou detectar a presença de câncer. Nos casos em que os exames informam que existe tumor (geralmente em ducto) os especialistas não se limitam à biópsia da secreção: exigem a biópsia do próprio tumor.

8. Você sente gânglios (linfonodos) inchados e doídos na axila?

Quando um gânglio ou linfonodo incha, provocando dor, é sinal de que o sistema imunológico do organismo está aumentando sua produção de células de defesa naquele gânglio como reação a uma infecção benigna. Por ex.: uma gripe ou pneumonia. Mas pode ser também que se trate de uma reação de defesa do organismo a células cancerosas provenientes de um tumor existente no seio (ou no pulmão, por exemplo) que chegaram até o gânglio drenadas pela corrente linfática. Um gânglio na axila é a primeira etapa da propagação de um câncer pelos vasos linfáticos. Às vezes, é também seu primeiro sinal.

Como reconhecer que um gânglio ou linfonodo que se apalpa na axila é canceroso? É que os cancerosos geralmente são duros e de contornos irregulares. Mas só o médico, depois dos exames que fizer e solicitar, poderá informar se um gânglio está ou não comprometido pelo câncer.

Assim como o câncer dos demais órgãos do corpo, todo câncer de mama forma tumor. Em casos raros, porém, ele pode mandar suas células doentes para a axila (metástase regional) e ser oculto, isto é, não ser demonstrável na mama, nem mesmo através de mamografia e outros exames por imagem. Às vezes, para ganhar tempo, os médicos propõem fazer logo uma mastectomia (retirada cirúrgica da mama), seguida de biópsia de toda a mama bem como dos gânglios ou linfonodos removidos da axila.

NB.: o blog lembra a todos, leitoras e leitores, a importância de se cumprir regularmente a agenda de rastreamento precoce do câncer de mama, que inclui visitas médicas e mamografias “preventivas” (substituídas por ultra-sonografias quando a mulher é jovem).


Fonte: http://liviadonadon.blogspot.com